domingo, 3 de abril de 2011

Espelhos da Alma


Um olhar transborda de significados. Como espelhos, os olhos refletem as profundezas da alma. Olhares são capazes de cativar e demonstrar o estado de espírito de cada um/a. Para os que sabem interpretá-los, os olhares dispensam palavras. É tarefa árdua traduzir um olhar. Esta tradução requer doses de sensibilidade e autoconhecimento.

Aquele olhar, em especial, pegou-me em um ímpeto de distração e arrastou-me para dentro. Naufraguei no mar atordoado daqueles olhos cheios de mistério. Quase me afoguei. Fui tentado a desvendá-los milimetricamente. A sedução daquele singelo olhar era capaz de superar até mesmo os encantos de Afrodite. Em um convite tentador, me fez mergulhar em um mundo repleto de significados, significâncias e vivências. Quis explorá-los a fundo, mas frustrei-me. O ser humano é um ser de grandeza incomensurável e, portanto, incapaz de ser compreendido em sua totalidade.

O encanto talvez tenha se originado do fato de que, de tão cristalinos, aqueles olhos faziam refletir minha própria imagem. O ser humano carrega em si fortes doses de um narcisismo extremo. Seria hipocrisia dizer que não somos fascinados por nossa própria imagem. Enxerguei a mim mesmo ao me prostrar defronte àqueles olhos amendoados e amedrontados. Olhos de paz, aconchego e acolhida... Olhos reveladores...

Aqueles olhos... O que será que já presenciaram? Pode ser que foram lentes de intensos acontecimentos, registrando fatos que estavam lá, guardados na memória daquela pessoa detentora de tão fascinante e intenso olhar. Pelos olhos, aquele ser era o que era... Pelos olhos, sua vida tinha significado. Os olhos ajudaram a ser quem era e continuaria a ser elemento primordial para a continuidade da construção do ser... Um simples olhar... Uma janela para a alma...


4 comentários:

Giliani Costa disse...

Gostei muito do seu blog! Suas palaras sobre o olhar expressam muita verdade...Você escreve bem e tem sensibilidade pra captar sentimentos e transmiti-los a quem lê! Gostei muito! Bjos! Giliani Costa.

euriferreira disse...

De fato, sua sensibilidade aguçadíssima nos é revelada na leveza e na simplicidade da cada palavra. É como na liturgia, qual o olhar que temos do mistério? Se é que deixamos nosso olhar penetrar no mistério. A relação é a mesma que você faz quando diz: quando olhei, lá me enxerguei. Taí um belíssimo texto para apreciarmos com ternura e olhar. Parabéns por sua compaixão, Diuân.
Abraços pascais.
Euri.

Diuân Feltrin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Diuân Feltrin disse...

Euri, palavras brotam do fundo do coração, tal como a liturgia! Tudo é uma questão de saber olhar com os olhos da alma... A vida seria mais fácil de ser vivida se a olhássemos com um novo olhar...